Justiça torna sócios da Braiscompany réus em ação que apura fraudes por meio de pirâmide financeira


Donos da empresa de criptoativos de Campina Grande, Antônio Neto Ais e Fabrícia Ais, que estão foragidos, aparecem entre os 13 que foram tornados réus pela Justiça. Antônio Inácio da Silva Neto, conhecido como Antônio Neto Ais, e Fabricia Ais, fundadores da Braiscompany Reprodução/Braiscompany O casal que comandava as operações da Braiscompany, empresa de criptomoedas envolvida em escândalos de fraude no sistema financeiro, foi tornado réu em ação penal que investiga possíveis esquemas de pirâmide financeira. Outras 11 pessoas também foram transformadas em rés por decisão da 4ª Vara de Justiça Federal, publicada nesta terça-feira (8). Na decisão do juiz federal Vinícius Costa Vitor, o magistrado ressaltou a atual situação em que Antônio Neto Ais e Fabrícia Ais estão foragidos, e ainda citou que um mandado de prisão foi expedido contra os proprietários. No entanto, como os investigados podem estar no exterior, se torna necessário a citação deles como réus na ação penal. MAIS BRAISCOMPANY: Relatório indica que sócios fugiram pela fronteira com a Argentina Justiça determina novo leilão de bens ligados à Braiscompany Em recente relatório da Polícia Federal, foi concluído que o casal de proprietários não está mais em território brasileiro, com a suspeita de ambos terem fugido do país pela fronteira terrestre com a Argentina. Os agora réus teriam utilizado passaporte da irmã e do cunhado de Fabrícia. O paradeiro dos dois ainda é desconhecido. De acordo com a PF, o casal contou com a ajuda de outras cinco pessoas para conseguir escapar do Brasil. Todos foram indiciados por facilitar a fuga de pessoas procuradas pela polícia e pela justiça brasileiras. Em julho, a Polícia Federal concluiu um inquérito que indiciou 16 pessoas por envolvimento nos esquemas da Braiscompany e de seus sócios. Além disso, no mesmo mês, a PF determinou bloqueio de cerca de R$ 136 milhões, que seriam de pessoas ligadas à empresa. Além dos dois proprietários da Braiscompany, também foram tornados réus Victor Hugo Lima Duarte, Mizael Moreira Silva, Sabrina Mikaelle Lacerda Lima, Arthur Barbosa da Silva, Flávia Farias Campos, Fernanda Farias Campos, Clélio Fernando Cabral do Ó, Felipe Guilherme da Silva Souza, Gesana Rayane Silva, Fabiano Gomes da Silva e Deyverson Rocha Serafim. Polícia Federal fez operação contra sócios da Braiscompany Arquivo pessoal Investigação contra a Braiscompany A Polícia Federal investiga uma movimentação financeira de R$ 2 bilhões, nos últimos quatro anos, feita pela Braiscompany. Dois mandados de prisão foram expedidos contra os sócios Antônio Neto e Fabrícia Farias Campos. Os dois continuam foragidos. A operação também determinou o bloqueio de bens e a suspensão parcial das atividades da empresa. Na primeira fase, oito mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Campina Grande, João Pessoa e São Paulo. Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba
g1 > Paraíba

g1 > Paraíba