Ao lado do neto, vovó tiktoker viraliza ao recitar letras de ‘passinhos’ com seriedade e deboche; VÍDEO


Dona Penha, como é conhecida, tem 79 anos e entra 'na onda' do neto, Pedro Henrique, de 22, ao narrar as letras de passinhos enquanto ele dança as coreografias. Nesta terça-feira (26) é celebrado o Dia dos Avós. Avó tiktoker viraliza ao lado do neto ao recitar letras de 'passinhos' Verso por verso, expressões faciais e gestuais, sorrisos e, claro, muito carinho envolvido. Dona Penha, como é conhecida, tem 79 anos e entra 'na onda' do neto, Pedro Henrique, de 22, ao narrar as letras de passinhos enquanto ele dança as coreografias. O perfil deles no TikTok soma mais de 100 milhões de visualizações. Nesta terça-feira (26) é celebrado o Dia dos Avós. O conteúdo é diverso. Vai de maquiagem e histórias improvisadas, até dicas de visuais e histórias de novelas. A 'segunda mãe' de Pedro é a sensação da rede social que mais cresce nos últimos anos. Os vídeos são gravados sempre que surge uma nova ideia. Pedro estrutura os roteiros e grava, mas é Dona Penha que avalia se o conteúdo está ou não adequado para publicação. São quase 500 mil seguidores e mais de 5 milhões de curtidas ao todo. Para se ter uma ideia, os três primeiros vídeos fixados no perfil somam mais de 30 milhões de acessos. "Isso pra nós é gratificante, ver as pessoas reconhecendo na rua, pedindo pra tirar foto. A vovó fica muito feliz com isso, ela fica vislumbrada, né? Porque ela nunca presenciou nada do tipo, nunca passou por coisa assim e isso pra ela é tão novo, e ela fica muito feliz com isso", contou Pedro. Dos vídeos publicados, os que mais se destacam em termos de acesso são aqueles em que Dona Penha narra letras de músicas, famosas pelos 'passinhos' coreografados, enquanto o neto dança. A maneira como ela vai pronunciando os versos, de forma séria e sem entusiasmo, provocam risadas nos internautas e rende muitos comentários (assista acima). "Pareceu uma poesia do jeito que ela leu", comentou um internauta; outro disse: "O deboche kakakaka, eu amo elaaa". Esses são alguns dos milhares de comentários feitos nas publicações da vovó tiktoker. Maria da Penha e o neto Pedro Henrique somam mais de 100 milhões de visualizações no TikTok Pedro Henrique / Arquivo pessoal Diversão em meio ao isolamento social Apesar da seriedade e expressão de deboche sobre as danças do neto, dona Penha tem um coração enorme. Prova disso é que a vovó topou de primeira o convite feito por Pedro para participar dos vídeos. Dona Penha e o neto começaram a gravar durante o período mais severo da pandemia de Covid-19, em um contexto de isolamento social, em 2020. "Eu falei: – Vó! Vamo gravar um vídeo, eu e tu. Aí ela topou e daí pra frente, estamos aqui", contou Pedro. No início das gravações, Pedro conta que ficou surpreso quando a avó não hesitou em gravar. A idade dela, segundo o neto, provocou um certo receio de aceitação. "Pessoas de idade não têm muita paciência ou não quer aparecer, mas ela sempre gostou de gravar, sempre gostou de aparecer nas câmeras, sempre gostou de fazer vídeos. Eu creio que isso seja pra ela como um escape porque a gente está no meio de uma pandemia, todo mundo isolado, sem sair, sem socializar, sem ver pessoas. Ela, principalmente, como idosa, sem ver as amigas dela, os parentes. É em casa, sem fazer nada. Isso foi pra ela como uma diversão, um meio de se divertir. Não uma forma mecânica de gravar, um trabalho, uma obrigação. É mais uma diversão", explicou o neto. Pedro e a avó passaram a morar juntos após a partida do avô dele, esposo de 'Dona Penha', como é conhecida, em 2011. Na mesma casa, em João Pessoa, também moram o irmão dele e a mãe, filha da vovó tiktoker. "Ela adora gravar. Eu tenho pra mim que ela já nasceu assim pras câmeras. Se ela tivesse, sei lá, tido algum tipo de foco no passado ela teria sido uma atriz da gota", comentou Pedro. Dificuldades e esperança de novas conquistas Dia dos Avós: nas corridas ou no TikTok, avós acompanham netos em 'invenções' No TikTok, os vídeos publicados pela dupla acumulam mais de 100 milhões de acessos. Apesar disso, Pedro e Dona Penha não conseguiram nenhum suporte de agências, monetizar o conteúdo publicado ou o apoio de empresas e marcas, já que eles são considerados produtores de conteúdo. Por outro lado, lidar com os haters parece uma tarefa difícil, mas a vovó tiktoker e o neto enfrentam os ataques de uma maneira muito tranquila. Os motivos são: preconceito com idade, exposição, misoginia, etarismo e até homofobia. Lidando com haters: especialistas dão dicas para manter a saúde mental e tomar medidas legais "A gente sabe que na Internet sempre tem o lado bom e o lado ruim das coisas, né? Infelizmente. Mas a grande maioria assim, 90% dos comentários são positivos, bons, de pessoas que gostam de ver nossos vídeos, pessoas que se sentem bem, se sentem felizes. Claro que também tem aqueles comentários maldosos, mas é a minoria", relatou. Pedro tem o cuidado de filtrar os comentários maldosos em respeito à avó, que é pessoa idosa e apresenta certa fragilidade. "Eu tenho um carinho enorme por ele. Ele é muito atencioso, carinhoso e cuida muito de mim. Ele é meu braço direito pra tudo. Sou muito grata por ter ele na minha vida", disse dona Penha, emocionada. Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba
Habilitar notificações    OK Não Obrigado